quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A Advogada

Casar-se e quem sabe ter uma dúzia de filhos. Sonho muito estranho no mundo atual, mas era isso que Rosane sonhava para si. Advogada já formada e com um escritório de advocacia em uma das ruas mais chiques da grande São Paulo esperava com ansiedade realizar esse seu sonho. Na verdade esse sonho havia nascido da sintonia que tinha com sua mãe adotiva, mãe essa que ela muito amava. Lurdes sua mãe de criação não podia ter filho e com isso havia adotado ela e mais três crianças. Rosane fazia belos planos, casar-se ter alguns filhos carnais e alguns materiais, grana ela tinha para isso e muito amor também. Quem seria o pai das crianças? Ora, isso já estava mais do que esquematizado, Haroldo, um advogado muito bem conceituado teria esse prazer. As noitadas regadas a sexos de todas as formas após o expediente já fazia Rosane sonhar com os dias de casada com Haroldo e por falar isso hoje seria uma delas, sexta feira era o dia D para o sexo selvagem que Haroldo gostava. Para Rosane, valia à pena acordar no outro dia toda esporrada e com o ânus doendo devido as estocadas fortes de Haroldo.


quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Anete




Anete nunca se conformou com sua vida de pobre. Quando criança sonhava em ser modelo, sua adolescência chegou e viu que esse sonho não daria certo de jeito nenhum, problema talvez de sua estatura baixa e a dificuldade para se tornar muito magra, na verdade não controlava a boca. Sempre linda, porem com sonhos não realizados, se sentia mais uma na multidão. Atualmente namorava Rodrigo um gerente de banco que subia na vida aos poucos devido seus talentos administrativos. Rodrigo também era um frustrado, pois sonhara coisa melhor pra ele do que ser um gerente de banco. À noite os dois conversavam muito sobre suas frustrações, na verdade se auto completavam, tudo terminava numa noitada de sexo de todas as formas.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Kassandra


Kassandra na verdade nunca foi a mais bonita do colégio, seus dotes físicos muito delicados e sem grandes proporções não chamavam muito a atenção da marmanjaiada do colégio isso a decepciona muito.
Enquanto os homens preferiam as mais bundudinhas ela ficava que de escanteio, ninguém a cantava, enfim, ninguém a queria comer. Um dia Kassandra descobriu que isso tudo era somente uma espécie de bloqueio que ela tinha e com isso se alto isolava ficando sempre que escondida. Um dia conheceu Ricardo, que se tornou seu namorado. Ricardo era um grande cara, muito popular na escola e para Kassandra  foi um prato cheio.
Desde esses dias a vida da garota mudou, por descuido engravidou de tanto que transou com Ricardo, mas Ricardo era boa praça, terminaram se casando e vivendo felizes para sempre.


sábado, 4 de dezembro de 2010

A garota do pôster.


 “Loucura”, essa era a palavra que mais poderia definir o que Laurindo estava sentindo desde que havia comprado aquele pôster um uma loja de bugigangas. Um pôster onde mostrava o rosto de uma loura estonteante, olhos grandes e enfeitiçados, cabelos esvoaçante e estilo anos setenta, aliás, o pôster parecia ser coisa da década de setenta. Laurindo quando chegava do serviço ia para sala observar a garota do pôster, parecia enfeitiçado pelo seu olhar, sonhava ela em seus braços e em sua cama, uma loucura. Por vezes se perguntava quem era aquela mulher naquele pôster que o enfeitiçara tanto, como estaria agora se caso esse pôster fosse dos anos setenta mesmo? Não saberia jamais a resposta. Depois de pensar tanto sem ter resposta, o velho costume diário, baixou a calça ali na sala mesmo e bateu uma punheta, quando terminou foi tomar banho, só assim mesmo para transar com a garota do pôster.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A Vedete





Ela sabia que não era dessa época. Quando dormia se via nos anos 20 em uma boate eu Nova York onde cantava dançava e dava show, era uma vedete da mais alta categoria. Samira não entedia de onde vinha esse pressentimento, por ora ficava viajando com sua mente em paragens jamais imaginada. Via se cercada por vários homens milionários sedentos por sexos devido a seu corpo maravilhoso e bem talhado, sexo esse que ela dividia com todo prazer em noitadas memoráveis. Sua mente embaralhada agora já não sabia discernir o sonho do real.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Tristeza de Luiza


Luiza ainda estava se lembrando das ultimas palavras do seu namorado que a havia trocado por um novo amor, não se conformava de modo algum. Olhava seu corpo no espelho, corpo perfeito que Deus lhe deu, corpo esse que ela cuidava com todo o carinho e se entregava de corpo de alma a Geraldo, não entendia como ele poderá ser tão ingrato, tão injusto – pensava. Caminhou nua pelo quarto chorosa, pegou a toalha e foi para o banho, seu coração partido estava pulsando tristemente, não se conformava em ter sido trocada por um travesti.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Esmeralda


 Esmeralda era uma menina muito estranha, extremamente bonita, porem em seus olhos um mistério estranho fazia-se perceber. Esmeralda tal qual uma jóia preciosa era perseguida  e desejada por absolutamente todos os homens do seu bairro. No alto dos seus 22 anos de idade sonhava mudar-se dali o mais rápido possível assim que terminasse a faculdade.
Como o destino não queria que ela saísse de seu bairro e nem de sua cidade o professor José conquistou seu coração, o romance tornou-se claro para todo mundo, arrancando inveja de todos os homens, pois, o professor Jose era um cara muito feio. Um dia pegaram os dois transando no banheiro da faculdade, foram convidados a se retirarem do estabelecimento de ensino.


Extremos


 Selena era um fenômeno, seus olhos era o que dominava os homens que conquistava. Já havia acumulado uma respeitável fortuna com os golpes que havia aplicado nos milionárias que escolhia a dedo. Na verdade nem considerava como golpe, apenas pedia uma pequena transferência financeira para sua conta para que continuasse o mancebo brincando em seu parque de diversão a hora que quisesse. Não havia o homem que resistisse a tal tentação, ela parecia que hipnotizava a todos.
Apesar da fortuna que havia acumulado nos anos, Selena não era feliz, pois seu verdadeiro amor não tinha nada de milionário, na verdade era ela quem tinha que ajudá-lo financeiramente. Jordão era um pobre coitado pedreiro azulejista, trabalhador que jamais conseguira um status de homem financeiramente qualificado. Tinha como grande trunfo poder afogar o ganso guando quisesse no traseiro de uma das mulheres mais linda que há havia visto, Selena.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Final de expediênte


Silvana havia terminado toda a tarefa do dia, já eram 18 horas, o escritório estava vazio e Jarbas seu patrão ainda não havia chegado da reunião que marcara com uns empresários em um luxuoso hotel praiano.
Geralmente na sexta feita àquelas horas era o momento em que fazia o famoso boquete pra ele que após gozar como um cavalo louco a fazia beber todo o seu leite de macho original. Hoje, no entanto, ficaria sem sua iguaria. Pegou sua bolsa apagou a luz do escritório luxuosíssimo e saiu, hoje teria que se contentar com o seu namorado.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Recordações a beira mar.


Andar pela praia de manhã era o que restava a Mariza.
Depois que seu marido a trocou pela irmã sabe-se qual fora o motivo não lhe restava mais nada de bom. Já havia chorado muito, nem a imensa fortuna que tinha não lhe resgataria o orgulho perdido. Caminhava solitária pela praia, olhava o mar maravilhoso e seus mistérios enquanto o canto das gaivotas caia como uma canção lamuriosa em seus ouvidos.
Parou perto de um rochedo onde observou uma pequena cavidade e se lembrou que naquele local ela fez sexo anal com seu marido pela primeira vez. Sorriu ao se lembrar o quanto doeu, lembrou-se que naquele dia ela gritou tanto e seus gritos de dor e prazer se perdiam com o barulho das ondas do mar batendo das rochas, nesse momento daria tudo para sentir aquelas dores novamente, no entanto, quem deveria estar usufruindo disso era sua irmã. Um semblante de tristeza tomou conta de Mariza. Mariza com certeza teria que encontrar um macho o mais rápido possível, qualquer um serviria naquele momento, qualquer um.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Menina danada.



Célia blondie era como seus amigos a chamavam. Sempre foi amiga de todos, menina estudiosa, radiosa e genial. Sua loirice era algo que todas as meninas do colégio queriam para só e com isso um Q de inveja invadia o coração de algumas. Se por um lado as garotas a invejam pelo outro era a desejada de todos os garotos. Os meninos tarado não deixavam passar a oportunidade de dar uma encoxadinha ou uma passadinha de mão no meio da muvuca que se formava no recreio ou na hora da saída. Ela sabia disso e fingia não notar as passadas de mãos e encoxadas incessantes afinal ela gostava. 



Apesar de linda e maravilhosa não tinha namorado, era um tanto quanto medrosa a este respeito mesmo com 17 anos de idade nas costas.
Dormia cedo, por  volta das 9 da noite só de calcinha ou as vezes pelada, costumava se masturbar antes de dormir, segundo ela o sono vinha mais rápido  e gostoso. Menina danada!

Água



Água, fonte de vida e de rejuvenescimento. Ângela agora em baixo do chuveiro em seu banho pensava no quanto isso era bom.
Água para restabelecer as forças e umedecer a pele. Somos água afinal de contas.
Jovem de classe media alta pensava no quanto havia vivido em perceber que os bons momentos da vida se resumiam em instantes tão curtos e solitários.
Saiu do boxe com a toalha enrolada no corpo, dirigiu-se pra sua cama onde seu namorado sedento por sexo a aguardava para o segundo round.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Doroth

Pouco tempo de casada Doroth fazia de tudo para agradar ao marido, homem bom e trabalhador que apesar de haver lutado muito na vida desde criança, trabalhando feito louco não conseguiu com o dinheiro todo o conforto que ele podia proporcionar.
Conheceu Doroth num desses cafés da cidade, apaixonou-se namorou e casou. Doroth oito anos mais nova do que ele não liga para o fato do marido ser um trabalhador a mais na multidão.
Observa pela janela ele se aproximar com o carro. Quando ele entra em seu pequeno mais confortável AP, Doroth já o está esperando em vestimentas sumárias. O sexo é inevitável. Após uma nova gozada Flavio seu marido pensa, “Dinheiro não é tudo”. 

sábado, 13 de novembro de 2010

O show não terminou



Agnaldo havia chegado de um show de rock, subiu as escadas e foi para o seu quarto e encontra Silvia sua namoradinha dormindo em sua cama. Surpreso, ele a acorda e ela lhe sorri, fala que como ela não pode ir ao show por seus pais não haverem deixado resolveu esperá-lo em casa e em sua cama. Foi logo tirando a roupa e ficando a vontade. Agnaldo ficou contente, sabia que o show tinha que continuar.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Dorinha


Luciano trabalhava naquela linha de taxi a dezoito longos anos e melancolicamente pensava de como o tempo havia passada. Fumava agora outro cigarro ao lado do seu carro, não fumava dentro do automóvel para o cheiro não ficar impregnado no seu interior e causar mal estar aos passageiros. Pensava agora no grande bordel que havia a poucas quadras ali a frente onde hoje é um shopping dos mais requintados. Entre uma baforada e outra pensava nas noitadas que passou nesse bordel. Pensava agora em Dorinha sua puta favorita dos tempos de vadiagem. Pensava no quanto havia gastado de grana com essa puta que ele gostava tanto. Nesse instante chega um cliente, Luciano joga o cigarro fora e sorri feliz ainda pensando em Dorinha que hoje é sua esposa excelente e fiel dona de casa e que apesar de hoje estar com mais idade ainda mete pra caramba.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O tempo passa

Ruivaldo acabara de comprar a revista na banca de jornal, iria finalmente ver as fotos que a filha do seu melhor amigo havia tirado para aquela revista masculina. Chegou em casa e foi logo abrindo as paginas e quase teve um ataque do coração quando começou a ver as primeiras fotos. Sim, aquela menininha que ele havia segurado no colo durante anos e ido a varias festas de aniversario levar presentinhos e participar havia crescido, cresceu em todos os sentidos e a bunda principalmente, que maravilha - pensava. Jogou a revista no sofá e balançou a cabeça irônico, - o tempo passa.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O demônio e o quase padre



Mauricio nutria uma paixão por Gigia desde criança.
Ele agora com 20 anos e Gigia com 17 e já que o romance não emplacava era a hora de Mauricio procurar outras inclinações na vida. Possou-se vários anos e por essas coisas da vida Mauricio resolveu ingressar no sacerdócio e com o decorrer dos anos iria se tornar padre. Um mês antes da celebração que o definiria como padre resolveu voltar pra casa e visitar sua mãe que não via a varios anos, as únicas conversas com ela tinha sido via telefone e alguns papos no MSN. O que o quase padre Mauricio não  podia supor é que sua paixão de criança hoje com 25 o esperava ainda apaixonada, e quando Mauricio a viu sua paixão voltou num fogo desesperador, já não se controlava. Ela estava linda demais, e sua sensualidade saia pelos poros. Naquela noite Mauricio passava quase em claro quando ouviu alguém bater na porta do seu quarto, quando abriu viu Gigia, todo linda sensual, o abraçou e o beijou, tirou o roupão onde exibia seu belo corpo negro e uma calcinha vermelha maravilhosa. O coração do quase padre Mauricio veio a mil. Fez sexo a noite todo, se lambuzou  todo e ainda continuou pela manhã até as quase meio dia, a menina era insaciável. A igreja católica perdeu o que seria um padre naquele dia.

domingo, 7 de novembro de 2010

O último Tango em Paris, a cena da manteiga



Em 1972 estreiava em todos os cinemas o filme estrelado por Marlon Brando,  O ultimo tango em Paris.
Eu mesmo fui assitir ao filme muitos anos depois ja na época dos videos cassete, e logicamente a melhor cena do filme que se tornou antologica foi a cena da manteiga. Na época o filme ja foi um escândalo por si só e ainda mais com essa cena, que na verdade não tem nada de "pornografico", mas a insinuação ja leva por si só a um ato que na epoca era "calamitoso", um quarentão comendo forçadamente o cú de uma jovem num apartamento de segundo classe em Paris.
A cena foi refilmada e ficou legal.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Chris Miller, muito talento com os peitos e nada mais



Essa tal de Chris Miller é mais uma dessas galinhazinhas que aparecem aos montes por ai, mal sabe articular um minuto de conversa qualquer que seja o assunto.
Fez um "curso de DJ" e ao se apresentar nos bailes em casas noturnas, em determinado momento do "show" coloca os imensos  maravilhosos e extremamente gostosos peitos para fora. Eu acho que a partir desse momento só mesmo um demente iria ficar dançando  e pulando o tempo todo. 
Por mais aviadado que o cara seja logicamente ele vai parar para olhar os peitões da danada.
As musicas que ela toca são uns lixo, mas não tem problema, ela tem outras coisas que compensa 

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Bunda que mata


Abinaldo tinha 86 anos de idade. Já havia criado 12 filhos de seus cinco casamentos, hoje com essa idade avançada e viúvo cinco vezes, só lhe restava esperar a morte, porem, essa teimava em não chegar.
Queria morrer de uma forma honrada, macho original que era, queria morrer transando, mas não tinha mais tempo de arrumar mulheres para transar, seus filhos não o deixavam sair de casa, e se saísse sua aparência de vovô seria um empecilho para arrumar uma gostosa que quisesse transar com ele.
Foi então que comprou uma luneta e começou a bisbilhotar as vizinhas dos apartamentos a frente. Logo vislumbrou uma morena muito sensual, descobriu o telefone dela e começou a ligar, disse que era um voyeur e que sempre a observava em seu quarto. Mentiu dizendo que era um milionário e poderia fazê-la muito rica caso pudesse ver seus atributos físicos mais constantemente.
Um dia a morena se exibiu mais do que o suficiente para o velhinho de 86 anos, ele a olhava e comia com os olhos, seus olhos esbugalhavam de tesão. Certa manhã a empregada bateu a porta do seu quarto para levar o café e ele não abriu, forçaram a porta e o encontraram morto, havia tido um ataque fulminante do coração.
Seu Abinaldo havia morrido como queria se não estava transando pelo menos estava com muito tesão. Ninguém notou uma luneta no canto da janela.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

A bela da praia





Juliano acabara de bater uma punheta no banheiro do bar da praia onde estava tirando férias. Saiu todo atabalhoado do bar, estava em transe ainda, mal podia acreditar na beldade que vira deitada na areia toda sensual cheia de amor pra dar. Tudo bem ele sabia que essa senhorita estava cheia de amor pra dar, mas pra ele que não era, então lhe restou apenas correr para um boteco e bater punheta. Ao voltar para a praia a viu novamente, correu para o bar pediu para ir  ao banheiro e bateu outra. Abelardo, o dono do bar pensou que se tratasse de um viciado em drogas que usava o banheiro do seu estabelecimento para se drogar.
Passou mais meia hora e la vem Juliano e pede para ir ao banheiro novamente, Abelardo o dono do bar pergunta se o rapaz esta com algum problema, Juliano diz que é punheteiro contumaz, e toda hora ele encontra uma dona muito gostosa e bonita na praia, uma verdadeira beldade, não agüenta e vai bater punheta. Abelardo ri da historia do rapaz, mas, curioso sai pra ver quem é a tal beldade. 
Abelardo anda pela praia e da de encontro com uma deusa da sexualidade. Sai correndo e vai para o banheiro do seu bar que está ocupado nesse momento por Juliano, Abelardo desesperado bate uma ali mesmo na porta, um vexame. 

Delírios dentro de uma Van

Beldades na tela



Tudo bem  que o funk carioca é a pior musica que ja existiu na face da terra, mas por outro lado nunca vi uma espécie de musica que fizesse surgir tantas mulheres gostosas.
Vale a pena ver o vídeo e nem prestar atenção para a musica, se  bem que o funk nem aparece "quase" nesse video.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A historia de Asdrúbal




Asdrúbal tinha um pequeno problema, tinha apenas 1,70 de altura e era gordo demais. Já havia feito diversos regimes, mas não conseguia emagrecer, seus 120 quilos era nesse momento um verdadeiro transtorno para ele.
Trabalhava feito louco num escritório de venda de autopeças onde era gerente muito querido por todos, rapaz bom, trabalhador, honesto, só que para a sociedade isso não é o suficiente, ele teria que ser magro também.
Asdrúbal que alem do problema de peso estava apaixonado por Lorena a garota que trabalhava na casa lotérica onde ele fazia sua fezinha durante a semana, sabia que jamais conquistaria Lorena que era uma loira linda maravilhosa, coxuda, lábios carnudos alem de já ser casada, enfim, Lorena era a musa das punhetas de Asdrúbal.
Sexta feira, la ia Asdrúbal para o puteiro do qual era freguês. Sim, toda sexta ia pra la, passava horas transando com Mariana que também era loira e lembrava muito sua musa. Só saía de lá meia noite todo lambuzado de sexo e satisfeito, mal sabia que a prostituta Mariana era apaixonada por ele apesar de sua obesidade. 

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Angelita e o jardineiro



Angelita assiste muito às novelas, e apesar de sua idade de 34 anos ainda se apaixonava pela historia e muitas vezes pelos personagens masculinos dos enredos em si. Atualmente acontece o mesmo de sempre com angelita que apesar de estar em uma situação financeira estável e casada a vários anos com o mesmo marido ainda se sente muito carente sexualmente. Seu marido que já não da muita bola ao sexo e as curvas de sua esposa, as vezes “paga o pato” transando sem vontade. Angelita sabendo disso passou a contar com a ajuda sexual  do jardineiro que todas as quartas feiras vêm cuidar de seu jardim. Hoje é quarta feira, e Anselmo, o jardineiro já sabe de sua missão. Ao tocar a companhia sua patroa o atendeu sorridente. Levou-o ao seu quarto ficou nua. Hoje Anselmo cuidaria de outro jardim. 

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Profissional do sexo

Arthur era o que podemos chamar de personal sexer, sim um especialista em atender mulheres desesperadas por sexo a domicilio. Estava indo agora para um bairro chique onde tinha uma cliente das mais requisitadas. Chegou, tocou a companhia e foi logo atendido por ela mesma. Não entendia como uma mulher jovem 26 anos e bonita pagava por sexo, bom, ele era profissional e não se importava com isso, afinal gostava do que fazia e Dorotéia tinha todos os atributos que um homem precisa para se satisfazer, bunda grande, coxas grossas, boca grande com lábios carnudos. Dorotéia foi logo para a sala, tirou o roupão já estava nua e após fazer uma gulosa de dez minutos se posicionou de quatro em um sofá belíssimo da sala. Arthur agora era seu senhor, aquela bunda enorme era sua por tempo indeterminado e fez dela seu parque de diversão durante horas. Dorotéia gemia e gritava e falava que era sua puta mais querida e que queria morrer dando pra ele, Arthur suava e gozava como um louco desvalido.
Horas mais tarde já em casa Arthur pensava como a vida era, gostava de sua profissão, e esperava outro telefonema. Logo o telefone tocou.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Longa noite



Afonso era musico da noite, precisava dessa atividade para manter os luxos da esposa metida a rica, porem, Joelma sua esposa reclamava muito das noites que o marido se dedicava a banda e isso a irritava.
La estava novamente Afonso nos bastidores com sua banda de musica popular que iria animar mais uma boate aquela noite, ele e os amigos arrumavam daqui e dali, luzes, som, aparelhagem tudo ok. Afonso gostava desse clima de estranho glamour. Quando estavam quase pronto para começar o show notou que Horacio, o gaitista não havia vindo o danado tinha faltado. O que fazer agora, teria de improvisar na hora da gaita fazer o que? Quem manda ter um músico irresponsável. Seis horas da manhã acabava o show, Afonso estava exausto. No mesmo momento em sua casa, Horacio, o gaitista dormia ao lado da esposa do amigo após ter passado sete horas transando com a mesma, o pau de Horacio estava esfolado enquanto o cu e a buceta de Joelma ardiam de dor.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Recado ao Bin Laden

As cinco irmãs


Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete eram cinco irmãs inseparáveis, todas lindas e maravilhosas, Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.
Quando saiam para a balada iam todas juntas, sentavam em volta da mesma mesa e bebiam cerveja a noite toda Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.
As irmãs eram muito alegres e na balada não tinha tempo ruim, Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.
Personalidades diferentes, porem muito amor pra dar.
Beth carinhosa, Gorete romântica, Celeste sedutora, Gerusa tentadora, Arlete sensual, as cinco irmão eram sensacionais.
As cinco irmãs só tinham um problema, transavam as cinco com o mesmo homem, Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O Apaixonado



Antonietta era a menina mais linda da escola e por ela Juliano estava apaixonado. Escrevia poemas, declarações de amor diversas, sonhava tal qual um Romeo apaixonado, mas nunca teve coragem de se declarar. Sofria ao vê-la passar todos os dias perto dele, suspirava somente em sentir o cheiro de perfume que ela exalava, pensava o quanto seria bom estar em seus braços, nem que fosse por alguns segundos.
Certo dia ficou sabendo da paixão de Antonietta pelo professor de educação física. Não se conformou com isso e foi ter uma estranha conversa com o professor. No término da aula dirigiu-se a sala do professor Ronaldo e quase caiu de costa, flagrou Antonietta de bruço na mesa e o professor a enrabando como um louco frenesi. Antonietta gemia e gritava e o professor bufava como um touro louco. Juliano ficou muito decepcionado, quando chegou em casa rasgou todos os poemas que escrevera pensando nela.

sábado, 23 de outubro de 2010

Big ass


Gorete, sim, gorete rabuba como era chamada na escola
Na verdade esse apelido era dito a boca pequena, pois ela odiava quando ouvia de alguém. Seus atributos físicos causavam inveja na mulherada, mas calavam-se diante de sua presença. Realmente onde ela chagava parava tudo era como se uma celebridade sexual houvesse chegado. 
Apesar de manter se razoavelmente bem nos estudos a popularidade da garota era muito grande na escola, entre os alunos (masculinos) e entre os professores. O time de basquete da escola era com quem gorete tinha mais amizade e mantinha o costume de transar a noite todo sempre com dois sortudos do time que a tirasse em um sorteio previamente organizado por eles. Hoje seria a noite de Paulo e André, dois jogadores do time, a noite seria pequena e inesquecível para os dois jovens sedentos por sexo.


O Flagrante



Dóris estava cheia dos maus tratos que a mãe lhe impunha, não os maus tratos físicos, antes fosse - pensava ela, mas sim dos maus tratos morais. A mãe a chamava de vagabunda o tempo todo, a criticava perante as amigas, dizia que a filha não era um bom exemplo pra ninguém, e isso deixava Dóris muito triste.
Tudo bem que ela pisava na bola às vezes, sua mãe já a havia pego no flagrante seis vezes somente esse ano em seu quarto fazendo chupeta para seis diferentes amigos da escola, isso a deixava um tanto quanto sem razão em rebater as criticas da mãe. Pensava em mudar seu modo de ser, mas sua paixão por pintos de amigos escolares não deixa.
Estava agora no quarto pensativa. Ligou para Saulo seu amigo, convidou-o a vir para sua casa, disse que estava sozinha solitária e precisava de alguém para desabafar. Saulo veio correndo. Nessa tarde sua mãe contabilizou o sétimo flagrante, ao abrir a porta do quarto viu sua filha com a boca cheia de porra, acabara de receber um jato na cara. Não tem jeito essa menina – pensou.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Sonho de uma prostituta



Dar nas esquinas, esse era o sonho de Odete, porem, como pertencia a uma conceituada família paulistana não podia dar brechas a escândalos nas colunas sociais dos jornais. Para saciar seu tesão gostava de esperar alguns amigos já combinado previamente em um beco perto de sua casa onde saciava seus desejos de puta.
Terça feira, 22h30min Odete esta agora encostada nas paredes imundas de um beco fedorento enquanto Almeidinha um Office boy furréco come sua buceta de burguesinha. Odete geme e grita satisfazendo de certa forma seu sonho de ser puta.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

A traída pela irmã vagabunda




Decepção, essa era a palavra que mais poderia definir o que Valquíria estava sentindo naquele momento. Deitada em sua cama agora, olhos rasos d’água mal podia crer no que vera no quarto da sua irmã. Alguns dias antes Valquíria havia apresentado seu namorado Amarildo para sua irmã Marta, Valquíria havia notado como os olhos da irmã haviam saltado de inveja, mas aquilo pra ela era normal, sabia que sua irmã tinha mesmo esse mau costume. Na segunda feira quanto voltava da faculdade como normalmente fazia, deixou sua bolsa na sala e foi pra cozinha comer alguma coisa. Notou a luz do corredor que dava pra os quartos acesa e subiu para apagar, um ruído estranho como se fosse um gemido ela ouviu. A passos lentos, caminhou em direção ao quarto da irmã, a porta estava somente encostada, empurrou devagar e viu o que jamais sonhou ver. Sua irmã marta de quatro com a bunda empinada sendo invadido pelo pênis de Amarildo seu namorado. Marta gemia entre soluços, tesão e dor enquanto Valquíria observava estarrecida. Ficou parada ali durante alguns minuto, os dois estavam tão loucos de prazer na cama que nem perceberam a terceira pessoa que ali estava, permaneceu em pé e pode ver quando Amarildo gozou como um cavalo árabe. Valquíria saiu do quarto antes que os dois a visse.
Decepção, era o que sentia agora, nem sabia  o que iria fazer. Não sabia se perdoaria o namorado, se terminava o namoro ou se devolveria a traição com a mesma moeda. Talvez a terceira opção fosse melhor.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A professora que gostava de rôla



Januario era o aluno mais incompetente da sala de aula, suas notas sofrível, isso fazia com que a estima de Januário perante todos sempre estivesse em baixa. Januario com 17 anos de idade já havia repetido de anos duas vezes a agora parecia ir para o terceiro ano de repetência consecutivo. O resultado foi sua mãe providenciar aulas particulares. A principio Januario não gostou muito da idéia, mas quando foi apresentada a professora quase sofre de orgasmos duplos, a professora Tânia era muito gostosa. No primeiro dia de aula na casa da professora ela notou o pau do aluno duro e não se fez de rogada, foi logo segurando por cima da calça para espanto de Januario. A partir daquele momento as aulas tomaram outro rumo. Tânia de quatro era a melhor professora do mundo, bunda macia e sedosa e Januario gemia tal qual um camelo nas ancas da mestra. Comeu a buceta depois o cu, gozou como louco por 4 vezes e depois caiu inerte. Chegou esbaforido em casa. Sua mãe perguntou como tinha sido a primeira aula, ele respondeu para a mãe que a professora Tânia era muito boa e com as aulas a tendência era ele melhorar na escola.
Januário passou de ano, ate hoje ele come a mestra, filho da puta esse Januario.

Fim de festa.


Sheila era a mais nova das quatro irmãs, somente 17 anos, e com essa idade não era bom ficar na rua durante a noite. A festa estava boa, mas suas irmãs a mandaram embora, la vinha ela irritada pra casa. Era apenas 23 horas ainda, onde já se viu sair no melhor da festa? No caminho encontrou um amigo de escola Eduardo, e foi com ele pra casa. Casa vazia, seus pais dormindo, foi com o amigo para o quarto. Um beijo aqui, outro ali, logo ela estava de quatro sendo enrabado por Eduardo que gemia como um búfalo insano.

Sonho realizado



O sonho de Daniella era ser modelo, e pra isso faria tudo. Produziu-se toda para a entrevista. Escritório de luxo, tudo chique. La estava ela aguardando Sr Roberto, a qual iria dar entrevista e falar de suas qualidades. Passou-se quinze minutos e foi logo chamada para a sala. A entrevista foi longa, após 45 minutos Daniella deixava a sala, havia sido aprovada. Na sala agora vazia Roberto fechava a braguilha da calça, pelo interfone chamava a faxineira para limpar a porra que caira no tapete, realmente Daniella tinha muito talento e um cu apertadíssimo.