sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Angelita e o jardineiro



Angelita assiste muito às novelas, e apesar de sua idade de 34 anos ainda se apaixonava pela historia e muitas vezes pelos personagens masculinos dos enredos em si. Atualmente acontece o mesmo de sempre com angelita que apesar de estar em uma situação financeira estável e casada a vários anos com o mesmo marido ainda se sente muito carente sexualmente. Seu marido que já não da muita bola ao sexo e as curvas de sua esposa, as vezes “paga o pato” transando sem vontade. Angelita sabendo disso passou a contar com a ajuda sexual  do jardineiro que todas as quartas feiras vêm cuidar de seu jardim. Hoje é quarta feira, e Anselmo, o jardineiro já sabe de sua missão. Ao tocar a companhia sua patroa o atendeu sorridente. Levou-o ao seu quarto ficou nua. Hoje Anselmo cuidaria de outro jardim. 

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Profissional do sexo

Arthur era o que podemos chamar de personal sexer, sim um especialista em atender mulheres desesperadas por sexo a domicilio. Estava indo agora para um bairro chique onde tinha uma cliente das mais requisitadas. Chegou, tocou a companhia e foi logo atendido por ela mesma. Não entendia como uma mulher jovem 26 anos e bonita pagava por sexo, bom, ele era profissional e não se importava com isso, afinal gostava do que fazia e Dorotéia tinha todos os atributos que um homem precisa para se satisfazer, bunda grande, coxas grossas, boca grande com lábios carnudos. Dorotéia foi logo para a sala, tirou o roupão já estava nua e após fazer uma gulosa de dez minutos se posicionou de quatro em um sofá belíssimo da sala. Arthur agora era seu senhor, aquela bunda enorme era sua por tempo indeterminado e fez dela seu parque de diversão durante horas. Dorotéia gemia e gritava e falava que era sua puta mais querida e que queria morrer dando pra ele, Arthur suava e gozava como um louco desvalido.
Horas mais tarde já em casa Arthur pensava como a vida era, gostava de sua profissão, e esperava outro telefonema. Logo o telefone tocou.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Longa noite



Afonso era musico da noite, precisava dessa atividade para manter os luxos da esposa metida a rica, porem, Joelma sua esposa reclamava muito das noites que o marido se dedicava a banda e isso a irritava.
La estava novamente Afonso nos bastidores com sua banda de musica popular que iria animar mais uma boate aquela noite, ele e os amigos arrumavam daqui e dali, luzes, som, aparelhagem tudo ok. Afonso gostava desse clima de estranho glamour. Quando estavam quase pronto para começar o show notou que Horacio, o gaitista não havia vindo o danado tinha faltado. O que fazer agora, teria de improvisar na hora da gaita fazer o que? Quem manda ter um músico irresponsável. Seis horas da manhã acabava o show, Afonso estava exausto. No mesmo momento em sua casa, Horacio, o gaitista dormia ao lado da esposa do amigo após ter passado sete horas transando com a mesma, o pau de Horacio estava esfolado enquanto o cu e a buceta de Joelma ardiam de dor.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Recado ao Bin Laden

As cinco irmãs


Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete eram cinco irmãs inseparáveis, todas lindas e maravilhosas, Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.
Quando saiam para a balada iam todas juntas, sentavam em volta da mesma mesa e bebiam cerveja a noite toda Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.
As irmãs eram muito alegres e na balada não tinha tempo ruim, Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.
Personalidades diferentes, porem muito amor pra dar.
Beth carinhosa, Gorete romântica, Celeste sedutora, Gerusa tentadora, Arlete sensual, as cinco irmão eram sensacionais.
As cinco irmãs só tinham um problema, transavam as cinco com o mesmo homem, Beth, Gorete, Celeste, Gerusa e Arlete.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O Apaixonado



Antonietta era a menina mais linda da escola e por ela Juliano estava apaixonado. Escrevia poemas, declarações de amor diversas, sonhava tal qual um Romeo apaixonado, mas nunca teve coragem de se declarar. Sofria ao vê-la passar todos os dias perto dele, suspirava somente em sentir o cheiro de perfume que ela exalava, pensava o quanto seria bom estar em seus braços, nem que fosse por alguns segundos.
Certo dia ficou sabendo da paixão de Antonietta pelo professor de educação física. Não se conformou com isso e foi ter uma estranha conversa com o professor. No término da aula dirigiu-se a sala do professor Ronaldo e quase caiu de costa, flagrou Antonietta de bruço na mesa e o professor a enrabando como um louco frenesi. Antonietta gemia e gritava e o professor bufava como um touro louco. Juliano ficou muito decepcionado, quando chegou em casa rasgou todos os poemas que escrevera pensando nela.

sábado, 23 de outubro de 2010

Big ass


Gorete, sim, gorete rabuba como era chamada na escola
Na verdade esse apelido era dito a boca pequena, pois ela odiava quando ouvia de alguém. Seus atributos físicos causavam inveja na mulherada, mas calavam-se diante de sua presença. Realmente onde ela chagava parava tudo era como se uma celebridade sexual houvesse chegado. 
Apesar de manter se razoavelmente bem nos estudos a popularidade da garota era muito grande na escola, entre os alunos (masculinos) e entre os professores. O time de basquete da escola era com quem gorete tinha mais amizade e mantinha o costume de transar a noite todo sempre com dois sortudos do time que a tirasse em um sorteio previamente organizado por eles. Hoje seria a noite de Paulo e André, dois jogadores do time, a noite seria pequena e inesquecível para os dois jovens sedentos por sexo.


O Flagrante



Dóris estava cheia dos maus tratos que a mãe lhe impunha, não os maus tratos físicos, antes fosse - pensava ela, mas sim dos maus tratos morais. A mãe a chamava de vagabunda o tempo todo, a criticava perante as amigas, dizia que a filha não era um bom exemplo pra ninguém, e isso deixava Dóris muito triste.
Tudo bem que ela pisava na bola às vezes, sua mãe já a havia pego no flagrante seis vezes somente esse ano em seu quarto fazendo chupeta para seis diferentes amigos da escola, isso a deixava um tanto quanto sem razão em rebater as criticas da mãe. Pensava em mudar seu modo de ser, mas sua paixão por pintos de amigos escolares não deixa.
Estava agora no quarto pensativa. Ligou para Saulo seu amigo, convidou-o a vir para sua casa, disse que estava sozinha solitária e precisava de alguém para desabafar. Saulo veio correndo. Nessa tarde sua mãe contabilizou o sétimo flagrante, ao abrir a porta do quarto viu sua filha com a boca cheia de porra, acabara de receber um jato na cara. Não tem jeito essa menina – pensou.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Sonho de uma prostituta



Dar nas esquinas, esse era o sonho de Odete, porem, como pertencia a uma conceituada família paulistana não podia dar brechas a escândalos nas colunas sociais dos jornais. Para saciar seu tesão gostava de esperar alguns amigos já combinado previamente em um beco perto de sua casa onde saciava seus desejos de puta.
Terça feira, 22h30min Odete esta agora encostada nas paredes imundas de um beco fedorento enquanto Almeidinha um Office boy furréco come sua buceta de burguesinha. Odete geme e grita satisfazendo de certa forma seu sonho de ser puta.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

A traída pela irmã vagabunda




Decepção, essa era a palavra que mais poderia definir o que Valquíria estava sentindo naquele momento. Deitada em sua cama agora, olhos rasos d’água mal podia crer no que vera no quarto da sua irmã. Alguns dias antes Valquíria havia apresentado seu namorado Amarildo para sua irmã Marta, Valquíria havia notado como os olhos da irmã haviam saltado de inveja, mas aquilo pra ela era normal, sabia que sua irmã tinha mesmo esse mau costume. Na segunda feira quanto voltava da faculdade como normalmente fazia, deixou sua bolsa na sala e foi pra cozinha comer alguma coisa. Notou a luz do corredor que dava pra os quartos acesa e subiu para apagar, um ruído estranho como se fosse um gemido ela ouviu. A passos lentos, caminhou em direção ao quarto da irmã, a porta estava somente encostada, empurrou devagar e viu o que jamais sonhou ver. Sua irmã marta de quatro com a bunda empinada sendo invadido pelo pênis de Amarildo seu namorado. Marta gemia entre soluços, tesão e dor enquanto Valquíria observava estarrecida. Ficou parada ali durante alguns minuto, os dois estavam tão loucos de prazer na cama que nem perceberam a terceira pessoa que ali estava, permaneceu em pé e pode ver quando Amarildo gozou como um cavalo árabe. Valquíria saiu do quarto antes que os dois a visse.
Decepção, era o que sentia agora, nem sabia  o que iria fazer. Não sabia se perdoaria o namorado, se terminava o namoro ou se devolveria a traição com a mesma moeda. Talvez a terceira opção fosse melhor.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A professora que gostava de rôla



Januario era o aluno mais incompetente da sala de aula, suas notas sofrível, isso fazia com que a estima de Januário perante todos sempre estivesse em baixa. Januario com 17 anos de idade já havia repetido de anos duas vezes a agora parecia ir para o terceiro ano de repetência consecutivo. O resultado foi sua mãe providenciar aulas particulares. A principio Januario não gostou muito da idéia, mas quando foi apresentada a professora quase sofre de orgasmos duplos, a professora Tânia era muito gostosa. No primeiro dia de aula na casa da professora ela notou o pau do aluno duro e não se fez de rogada, foi logo segurando por cima da calça para espanto de Januario. A partir daquele momento as aulas tomaram outro rumo. Tânia de quatro era a melhor professora do mundo, bunda macia e sedosa e Januario gemia tal qual um camelo nas ancas da mestra. Comeu a buceta depois o cu, gozou como louco por 4 vezes e depois caiu inerte. Chegou esbaforido em casa. Sua mãe perguntou como tinha sido a primeira aula, ele respondeu para a mãe que a professora Tânia era muito boa e com as aulas a tendência era ele melhorar na escola.
Januário passou de ano, ate hoje ele come a mestra, filho da puta esse Januario.

Fim de festa.


Sheila era a mais nova das quatro irmãs, somente 17 anos, e com essa idade não era bom ficar na rua durante a noite. A festa estava boa, mas suas irmãs a mandaram embora, la vinha ela irritada pra casa. Era apenas 23 horas ainda, onde já se viu sair no melhor da festa? No caminho encontrou um amigo de escola Eduardo, e foi com ele pra casa. Casa vazia, seus pais dormindo, foi com o amigo para o quarto. Um beijo aqui, outro ali, logo ela estava de quatro sendo enrabado por Eduardo que gemia como um búfalo insano.

Sonho realizado



O sonho de Daniella era ser modelo, e pra isso faria tudo. Produziu-se toda para a entrevista. Escritório de luxo, tudo chique. La estava ela aguardando Sr Roberto, a qual iria dar entrevista e falar de suas qualidades. Passou-se quinze minutos e foi logo chamada para a sala. A entrevista foi longa, após 45 minutos Daniella deixava a sala, havia sido aprovada. Na sala agora vazia Roberto fechava a braguilha da calça, pelo interfone chamava a faxineira para limpar a porra que caira no tapete, realmente Daniella tinha muito talento e um cu apertadíssimo.

domingo, 10 de outubro de 2010

A exibicionista


Juliana era dessas exibicionistas, gostava de se apresentar para todo tipo de macho usando a webcam. Na vida “real” se apresentava totalmente recatada e boa moça, mas bastava tudo vir para os bastidores que sua boa mocice acabava no ato. Juliana se masturbava em frente ao computador pra quem quisesse. Outra bizarrice dela era ficar na janela observando os homens passarem na rua enquanto se masturbava discretamente da janela. Dia desses foi ao mercado e viu na seção de frios um salame bem grosso e grande, quase teve um treco. Comprou e levou para seu quarto, a noite foi longa pra Juliana.

Maria gasolina




Maria Inês desprezava Inácio de maneira aterradora. Loira, bunda grande e coxas grossas era musa dos punheteiros do bairro. Inácio coitado, dono de um fusca 76 jamais conseguiria comer a bunda de Maria  Inês naquele fusca que tanto ela odiava. Maria gasolina que era preferira dar a bunda para Jonas que era dono de um carro importado.
Uma noite Inácio caminhava lentamente nas ruas de seu bairro quando viu o carro importado do seu rival parado na esquina, teve vontade de riscá-lo, pensou... pensou tomou coragem e se aproximou do carro, qual não foi a surpresa quando viu Maria Inês dentro do carro e Jonas num vai e vem frenético comendo sua buceta. Inácio ficou decepcionado, nem riscou o carro, foi embora. Em casa Inácio pensava na cena, imaginava um dia comprar um carro importado e comer Maria Inês, mas isso iria demorar muito para acontecer.

sábado, 9 de outubro de 2010

Time sexual


O time da escola fazia uma campanha horrível, já havia perdido todos os jogos e restava apenas ganhar o ultimo para que se despedissem de uma maneira honrada do campeonato de futebol realizado entre as escolas municipais da região. Angélica, a garota mais popular da escola disse que transaria com o time inteiro se caso eles ganhassem o ultimo jogo de 6 a zero, coisa improvável para um time que não marcara um único gol no campeonato. O pessoal do time ficou sabendo da proposta. Como por milagre o time ganhou de seis a zero, algo incrível.
Eram exatamente 2 horas da manhã quando Angélica terminou de dar a buceta e o cu para o ultimo jogador, seu cu ardia muito e ela mal podia se movimentar. Aquele dia foi inesquecível. Há quem diga que o jogo foi comprado, mas ai já é outra historia.



Sexo no inferno



Aluisio era o cara mais esquisito do bairro, era segundo diziam, adorador do demônio. Um dia descobriu que só o inferno poderia ter todas as devassidões sexuais que ele tanto sonhava, ficara sabendo que as beldades satânicas com suas xoxotas quentes e coxas voluptuosas eram o que de melhor poderia encontrar se fosse para o inferno. Aluisio desde então passou a adorar o capeta, só não bebia sangue nem matava as pessoas, mas toda noite rezava para o diabo lhe levar para esse mundo de devassidão satânica. Um dia Aluisio passou mal após uma feijoada e morreu. Acordou no inferno cercado por belas diabas sedentas por sexo, Aluisio estava agora numa espécie de paraíso. Reza a lenda que em noites de lua cheia ouve-se o gemido seco e surdo de Aluizio gozando após mais uma foda anal com a diaba mais bela do inferno.

A calcinha marrom




Todos os alunos já haviam entrado, somente Arnaldo permanecia no pátio da escola, fazia um vento danado. Caminhava para a entrada das classes quando viu Helena, a  garota mais gostosa da escola. O vento que fazia terminou levantando o curto vestido de Helena, e Arnaldo pode ver sua calcinha marrom, foi o suficiente para que seu membro sexual desse um salto despertasse e subisse lentamente dentro da cueca. Helena cainhava rápido, estava atrasada também. Arnaldo foi atrás, não resistiu e ao aproximar-se e passou a mão na bunda de Helena que assustada olhou pra traz.

Na sala de aula o professor Ricardo percebera a ausência de Arnaldo e Helena, iria ter prova na primeira aula e os dois ainda não apareciam.

Arnaldo e Helena estavam agora em um canto ermo próximo ao balneário, Arnaldo suava e gemia enquanto seu membro grosso esfolava o orifício anal de helena que gemia como uma prostituta no cio.

Luiza, a aluna vagabunda.




Seu Mario era o mais serio dos professores, e quando Luiza ficou sabendo que sua nota na disciplina dele havia sido sofrível, tinha urgentemente que fazer algo para que sua nota melhorasse milagrosamente, e como álgebra não era seu forte teria de usar de outros métodos para que seu mestre revisse a nota. Dito e feito, percebeu que o professor ainda estava na classe quando todos os alunos saíram, encostou a porta para espanto do professor que não entendia o que a garota pretendia. Luiza mostrou os seios fartos para seu mestre, aproximou-se e foi direto para a braguilha do professor, abriu o zíper e começou uma gulosa fabulosa.
O professor nem se mexia, e nem demonstrava o menor constrangimento. O gozo veio farto e bombante, foi um êxtase. Luiza engoliu tudo.
No outro dia ficou sabendo que sua nota melhorou consideravelmente.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Edna


Pornô conto 

EDNA

Estava ali já pronta para punhetar seu marido novamente. Edna era dessas donas de casa comum que tudo fazem para não perder o marido, por isso cumpria direitinho com suas obrigações de fêmea submissa. João saiu do banheiro e no corredor mesmo ela já agarrou seu mastro, ajoelhou-se a após chupar durante alguns minutos começou a punhetar com força. João entreabria as pernas enquanto procurava apoio nas paredes do corredor estreito. Edna punhetava com gosto, intercalava entre uma chupada e outra, logo o gozo quente do marido surgiu com um jato forte e viscoso.  Agora Edna lambia tudo e engolia. Seu marido já quase atrasado para o serviço vestiu a calça e saiu sem nada dizer. Edna agora lambia as ultimas gotas de porra.

Sonhas


Seu sonho é o meu sonho
O que sonhas é o que quéro
Ao contrario seria
Num pensamento sem igual
Puro, sem sal
Sexo anal

Sexo é melhor que drogas

Sexo é melhor do  que drogas.
Não compreendo como alguem consegue ficar horas fungando cocaína do que ficar fungando a  bunda de uma mulher. É lamentável, o ser humano esta cada vez pior.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Marina

Pornô conto –

MARINA

Estava ali esperando a mais ou menos uma hora, no relógio da igreja marcava 23 horas. A escuridão da rua não era um lugar muito convidativo para uma garota de 18 anos, mas Marina já estava acostumada com aquilo.
Levantou a vista, olhou para frente e pode ver Otavio chegando. Abraçaram-se no escurinho, trocaram longo beijo, durante o beijo Otavio procurava as parte mais intima da garota para acariciar.
Otavio excitado, a encostou no muro da igreja colocou-a de costa e abaixou-lhe a calcinha e com seus dedos acariciava a intimidade úmida da garota que gemia e se retorcia. Abaixou se e começou a lamber a vagina de marina que se agarrava ao muro como suplicando uma penetração já praquele momento.  
Otavio, experiente e calmo curtiu com mais calma o momento. Sua língua sugava a buceta de marina como se fosse uma saborosa fruta, Marina gemia. A língua de Otavio agora subia mais um pouco e procurava o orifício anal da garota, local onde sua língua furiosa fazia uma devassa. Marina gemia como uma cadela no cio
Otavio levantou, colocou o pau pra fora e enfiou com força no cu de marina que soltou um gemido surdo enquanto o vaivém frenético de Otavio se fazia constante. Otavio em sua loucura inata gemia junto e puxava os cabelos de marina, minutos depois ele gozava como um louco e sua porra escorria pelas coxas de marina.
No relógio da igreja marcava 23h30min.