quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A Advogada

Casar-se e quem sabe ter uma dúzia de filhos. Sonho muito estranho no mundo atual, mas era isso que Rosane sonhava para si. Advogada já formada e com um escritório de advocacia em uma das ruas mais chiques da grande São Paulo esperava com ansiedade realizar esse seu sonho. Na verdade esse sonho havia nascido da sintonia que tinha com sua mãe adotiva, mãe essa que ela muito amava. Lurdes sua mãe de criação não podia ter filho e com isso havia adotado ela e mais três crianças. Rosane fazia belos planos, casar-se ter alguns filhos carnais e alguns materiais, grana ela tinha para isso e muito amor também. Quem seria o pai das crianças? Ora, isso já estava mais do que esquematizado, Haroldo, um advogado muito bem conceituado teria esse prazer. As noitadas regadas a sexos de todas as formas após o expediente já fazia Rosane sonhar com os dias de casada com Haroldo e por falar isso hoje seria uma delas, sexta feira era o dia D para o sexo selvagem que Haroldo gostava. Para Rosane, valia à pena acordar no outro dia toda esporrada e com o ânus doendo devido as estocadas fortes de Haroldo.


quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Anete




Anete nunca se conformou com sua vida de pobre. Quando criança sonhava em ser modelo, sua adolescência chegou e viu que esse sonho não daria certo de jeito nenhum, problema talvez de sua estatura baixa e a dificuldade para se tornar muito magra, na verdade não controlava a boca. Sempre linda, porem com sonhos não realizados, se sentia mais uma na multidão. Atualmente namorava Rodrigo um gerente de banco que subia na vida aos poucos devido seus talentos administrativos. Rodrigo também era um frustrado, pois sonhara coisa melhor pra ele do que ser um gerente de banco. À noite os dois conversavam muito sobre suas frustrações, na verdade se auto completavam, tudo terminava numa noitada de sexo de todas as formas.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Kassandra


Kassandra na verdade nunca foi a mais bonita do colégio, seus dotes físicos muito delicados e sem grandes proporções não chamavam muito a atenção da marmanjaiada do colégio isso a decepciona muito.
Enquanto os homens preferiam as mais bundudinhas ela ficava que de escanteio, ninguém a cantava, enfim, ninguém a queria comer. Um dia Kassandra descobriu que isso tudo era somente uma espécie de bloqueio que ela tinha e com isso se alto isolava ficando sempre que escondida. Um dia conheceu Ricardo, que se tornou seu namorado. Ricardo era um grande cara, muito popular na escola e para Kassandra  foi um prato cheio.
Desde esses dias a vida da garota mudou, por descuido engravidou de tanto que transou com Ricardo, mas Ricardo era boa praça, terminaram se casando e vivendo felizes para sempre.


sábado, 4 de dezembro de 2010

A garota do pôster.


 “Loucura”, essa era a palavra que mais poderia definir o que Laurindo estava sentindo desde que havia comprado aquele pôster um uma loja de bugigangas. Um pôster onde mostrava o rosto de uma loura estonteante, olhos grandes e enfeitiçados, cabelos esvoaçante e estilo anos setenta, aliás, o pôster parecia ser coisa da década de setenta. Laurindo quando chegava do serviço ia para sala observar a garota do pôster, parecia enfeitiçado pelo seu olhar, sonhava ela em seus braços e em sua cama, uma loucura. Por vezes se perguntava quem era aquela mulher naquele pôster que o enfeitiçara tanto, como estaria agora se caso esse pôster fosse dos anos setenta mesmo? Não saberia jamais a resposta. Depois de pensar tanto sem ter resposta, o velho costume diário, baixou a calça ali na sala mesmo e bateu uma punheta, quando terminou foi tomar banho, só assim mesmo para transar com a garota do pôster.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A Vedete





Ela sabia que não era dessa época. Quando dormia se via nos anos 20 em uma boate eu Nova York onde cantava dançava e dava show, era uma vedete da mais alta categoria. Samira não entedia de onde vinha esse pressentimento, por ora ficava viajando com sua mente em paragens jamais imaginada. Via se cercada por vários homens milionários sedentos por sexos devido a seu corpo maravilhoso e bem talhado, sexo esse que ela dividia com todo prazer em noitadas memoráveis. Sua mente embaralhada agora já não sabia discernir o sonho do real.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Tristeza de Luiza


Luiza ainda estava se lembrando das ultimas palavras do seu namorado que a havia trocado por um novo amor, não se conformava de modo algum. Olhava seu corpo no espelho, corpo perfeito que Deus lhe deu, corpo esse que ela cuidava com todo o carinho e se entregava de corpo de alma a Geraldo, não entendia como ele poderá ser tão ingrato, tão injusto – pensava. Caminhou nua pelo quarto chorosa, pegou a toalha e foi para o banho, seu coração partido estava pulsando tristemente, não se conformava em ter sido trocada por um travesti.