terça-feira, 15 de março de 2011

Mulher Cibernética



Minha mulher agora é cibernética
Em suas veias sintéticas corre sangue artificial para lutarmos juntos no dia a dia, sem o cansaço e desanimo natural.

Minha mulher agora é cibernética, cabelo de nylon, cílios postiço, não precisa mais ir ao cabeleireiro ao banheiro nem se maquiar, trocou o batom por uma pintura labial perolizada que nunca risca e o sorriso faz conforme a ocasião.

Minha mulher agora é cibernética, coxas torneadas milimetricamente que nunca conhecerão uma varize, bumbum artificial que nunca terá uma estria. Ela jamais precisara freqüentar uma academia, pois já veio personalizada de fabrica e com isso não terá problemas.

Minha mulher agora é cibernética, tem  GPS e Chip na mente, fala pouco e não mente, não assiste novela nem vai a shopping center.

Agora eu durmo solitário, não tenho com quem fazer amor, minha mulher cibernética está desligada. Que saudade da de carne e osso.


Nenhum comentário: