sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Silicone



Silicone é o que as mulheres estão procurando colocar em quase toda parte do corpo. A bem da verdade trata-se de um vaidade puramente feminina, porque os homens machos originais estão pouco se lixando para a qualidade que o silicone possa dar ao corpo feminino, os homens que nasceram homens dão mais valor ao que é natural mesmo, aquilo que pode ser pegado agarrado e chupado com toda a naturalidade e certeza de saber que tudo aquilo que ele esta apalpando é natural. Mas como nós, machos naturais somos obrigados a nos adaptarmos a quase tudo o que as mulheres querem delas mesmas temos que continuar prestigiando essas coisas que elas acham que são tão importantes assim pra elas mesmas.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Sorvete de carne



Áurea era seu nome, loiríssima, e se irritava com o costume que as pessoas tinham de tratar-lhe de loira burra, frase idiota essa criada em uma musica popular por um cantorzinho idiota que atingiu até um certo grau de sucesso. Áurea passeava a tarde nas calçadas das belas ruas da cidade onde morava, desfilava o seu corpo escultural pela brisa do momento e não havia homem quem não desse uma olhada em sua bunda e lhe dirigisse um gracejo. Áurea agora para perto de um sorveteiro e pede um sorvete de chocolate, cada chupada que da no sorvete lhe aflora um desejo sexual que ela alimenta a anos, o do sexo oral. Passam-se mais alguns momentos e o sorveteiro esta agora num canto qualquer encostado num muro enquanto Áurea sacia-se com o membro sexual do sorveteiro que geme de prazer.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Drama de Andréia


Porque será que mesmo com o passar dos anos o costume que Andréia tinha de se masturbar não havia passado? Triste, já havia ate consultado um psicólogo para que pudesse de certa forma acabar com esse costume que tinha desde os tempos de adolescente. Durante o período em que se tratava com um famoso psicólogo de família amigo de seu pai não conseguiu se “curar” desse seu costume de tempos antigos.
Já havia sido avisada por esse mesmo medico que a masturbação feminina ou masculina não tinha nada de mal e que era até certo ponto bom, desde que não criasse nenhum drama ou sensação de culpa pelo individuo que usasse esse tipo de artimanha para ter seus orgasmos sexuais tão naturais. Com o passar do tempo o grilo de Andréia foi desaparecendo e sua amizade com o psicólogo foi tanta que vez ou outra ela volta ao consultório somente para masturbar o seu psicólogo que sempre foi onanista de carteirinha.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Litoral sexual



Tomar um banho de sol naquela belíssima praia do litoral paulistano era tudo o que Natalia queria e fazia sempre que podia. Seu corpo escultural e apetitosamente delicioso para o gosto masculino era figura de destaque naquele cenário de verão brasileiro. Cantada era o que não faltava para aquela garota mulher de 23 anos de idade. A tarde o desejo aflorava e sempre uma cantada mais forte de algum macho que ela se interessasse era o suficiente para levá-la a um quarto de hotel, e era isso o que ela mais queria. Sim, já era 16 horas e nesse momento Natalia já estava num belo quarto de um hotel praiano sendo enrabada impiedosamente por algum playboy da região. Natalia era aquilo mesmo que algumas mulheres desejavam ser, porem a coragem faltava.

Lidiane


Lidiane pensava que havia visto tudo o que tinha de ser visto em anatomia sexual masculina, havia transado com uma quantidade enorme de homens de todo tipo, gordo magro, alto baixo, barrigudo, sem barriga, preto, branco, loiro, japonês, careca, banquela, cabeludo, roqueiro, punk enfim todo o tipo. O bem da verdade ela queria mesmo que fossem homens machos originais sem nenhum ranço aviadado dos tempos atuais, homens que gostassem de mulheres, homens que gostassem de usufruir de tudo de bom que uma fêmea no cio pudesse proporcionar, e foi assim sua vida até que conheceu Jarbas Sulino, um paraibano arretado. Quando foi pra cama com Jarbas Sulino pela primeira vez ficou espantada com o tamanho do membro sexual de seu parceiro que segundo ela deixava de ser um pênis para se batizado de caralho, tamanho a proporção do individuo em estado de ereção. Lidiane se apaixonou pelo pinto do paraibano e nos primeiros 45 minutos de sexo limitou-se apenas a mamá-lo deixando Jarbas totalmente maluco e desesperado. Lidiane brincava com o membro que mais parecia um taco de basebol. Depois da brincadeira foi o momento de um promiscuo sexo onde Lidiane ficou no dia seguinte sem conseguir andar ou sentar devido a paixão paraibana por sexo anal. Lidiane literalmente tomou no cú (e gostou).